11 anos de parceria com os homens

Tempo de leitura: 3 minutos

11 anos de parceria com os homens

Será que o PdH nasceu para gerar teor, captar audiência e vender anúncios? Com certeza, um maiúsculo NÃO.

Existimos para ajudar os homens a se transformar, a cultivar vidas e relações mais satisfatórias. Oferecemos teor, pesquisas, encontros e cursos em torno desse intuito.

Lam Matos falando sobre sexualidade masculina no Homens Possíveis 2017, cá em SP, há duas semanas

Naturalmente, ao mourejar com o masculino tratamos do feminino. Quem nos acompanha sabe que, na prática, falamos com homens e mulheres.

Nossos artigos de natalício marcam um tradicional momento de retrospectiva e reflexão. Esse texto é o marco de nosso décimo primeiro ano de vida.

Em reuniões, costumo explicar que nosso trabalho de transformação das masculinidades passa por três pilares: sensibilização, aprofundamento e ininterrupção.

Não primícias esse texto retomando nossa núcleo e modus operandi à toa. 2017 foi um ano marcado pela urgência de sonharmos o PdH do horizonte.

Manter o projeto sustentado pelos ganhos publicitários do portal é um padrão de negócios com os dias contados, porquê os jornais e revistas fechando as portas todos os dias nos mostram (para entender melhor, leia esse cláusula do New York Times e esse do The Guardian).

Por isso, à partir de maio passamos a ter reuniões semanais de “reengenharia” com todo o time, inclusive o Clint. Esses encontros tinham porquê objetivo medial nos reconstruir. Por meio deles, prototipamos e testamos em tempo recorde nove linhas de negócios antes inexploradas.

Descobrimos quais faziam sentido, geravam resultados e, em próprio, quais estavam conectadas aos nossos corações e aos de vocês.

Me surpreendo e abro um sorriso ao notar quanta coisa boa botamos na rua.

Com vocês, 11 de nossos pontos altos em 2017:

  • realizamos a primeira edição do evento “PAI: os desafios da paternidade atual”, que obteve 93.8% de aprovação — e vamos botar de pé uma melhor ainda no próximo agosto
  • realizamos a segunda edição do “Homens Possíveis”, com quase o duplo do tamanho (pulamos de 75 para muro de 140 presentes, com gente do Brasil todo)
  • realizamos 25 palestras e workshops em empresas e organizações interessadas em discutir masculinidades (o tema medial, mas não o único, foi “O que justiça de gênero tem a ver com a vida e curso dos homens?”)
  • fizemos um videocase e inscrevemos o documentário “Precisamos falar com os homens?” no Festival de Cannes, a maior premiação de originalidade do mundo, na categoria Glass Lion
  • publicamos uma temporada da série Caixa-Preta com 30 maravilhosos episódios produzidos em parceria com a Fictícia Filmes
  • colocamos à venda o ebook “As 25 maiores crises dos homens e porquê superá-las”
  • seguimos trabalhando junto da ONU Mulheres em prol da construção de relações mais amorosas, equitativas e saudáveis entre homens e mulheres (ODS 5, um dos 17 objetivos para transformar nosso mundo)
  • lançamos uma edição próprio do report de pesquisa PdH Insights, em um evento na sede do Twitter, em SP
  • fechamos uma parceria de 9 meses com Natureza Varão, que se tornou um padrão de relação de negócios e parceria mormente frutífera — esse padrão de relação mais duradoura será nosso foco para o horizonte. Esse ano realizamos projetos com 27 marcas, aspiramos reduzir esse número para não mais do que 10 no próximo.
  • colocamos no ar a curadoria “68 homens que nos inspiraram em 2017”, proposta inaugurada ano pretérito e que pretendemos manter viva (já catalogamos 142 homens inspiradores distantes da grande mídia, no totalidade)
  • por término, oferecemos duas edições do curso “Estabilidade Emocional para Homens” — ano que vem o projecto é termos também edições mistas e uma focada para líderes. Inclusive estive no Programa Encontro, da Fátima Bernardes, falando sobre alfabetização emocional dos homens (cá o vídeo na íntegra).
A segunda turma de estabilidade emocional para homens <3

Mas porquê nem só de celebrações vive uma empresa, tivemos nossa quota de falhas. Uma de minhas maiores frustrações foi não sermos capazes de sustentar a proposta editorial ocasião a vocês em março.

Finalizo minha segmento dessa retrospectiva agradecendo a todos do time, às 24.903.697 pessoas que nos acessaram esse ano e às centenas com quem me conectei em nossos vários encontros, palestras, workshops e eventos. Vocês mantiveram nossa labareda acesa. 

A margem Santa Jam fechando nosso último evento do ano

Agora, passo a vocábulo ao time da morada:

* * *

“A chegada de Noah” — Felipe Ramos, diretor de negócios no PdH

“Faltando poucas semanas para fechar 2017, eu olho para trás e vejo um ano de muita transformação. Em 12 meses, minha vida foi impactada por uma série de fatos pessoais e profissionais e todo o tipo de duelo.

Porquê cereja do bolo (do ano), a chegada do meu rebento Noah me mostrou que a vida pode ser ressignificada e que o paixão não tem limites. Tenho aprendido a cada momento com a sua evolução e seus olhos bondosos e expressivos.

Do lado profissional, tivemos um ano de muita guerra para tornar o PapodeHomem em uma plataforma mais ligeiro, menos custosa e que esteja apta passar por crises econômicas, mudanças no mercado em que atuamos e que possa estar viva daqui a 10, 20, 30 anos. 

Fico feliz em fechar o ano com um sorriso no rosto e orgulhoso de tudo o que consegui erigir, em todos os lados. Agradeço a todos que estiveram do meu lado, mormente minha família e amigos mais próximos.

Que 2018 venha com muitos aprendizados e seja tão importante para mim porquê o ano de 2017 tem sido.”

“50 anos em 5” — Jader Pires, plumitivo, editor-caseiro no PdH

“Uau! Parece que estou escrevendo cá, de cabelos brancos e as mãos trêmulas, passados todos os aprendizados de 2017. 

Lancei uma campanha no Catarse que acabou dando muito perceptível e alcançando 111% da meta estabelecida. Nesse processo, conversei com mais de duas milénio pessoas entre interessados em ajudar o projeto e leitores que compraram o resultado dele, o livro Do Paixão, meu segundo livro de contos a ser publicado. Com ele, passei leste 17 sendo plumitivo, marketeiro e designer, contador e gerente de logística. Assinei já mais de seiscentos livros e mandei cada um deles pelos correios para chegar nas mãos de interessados, pessoas gostosas que tive prazer de me conectar leste ano. Cresci 50 anos em cinco meses. 

Fui, de novo, para o Japão, aquela terreno maluca e longínqua que me faz tanto muito e me deixou tão estranho. 

Tudo isso com o PapodeHomem se reinventando mais uma vez, criando cursos e eventos, saindo do do dedo para impactar no tete-a-tete a vida das pessoas, ajudar no florescimento humano, conversar com os homens sobre moeda, paternidade, estabilidade emocional. Tudo novo, tudo fresquinho, pronto pra ser testado, incorrecto, consertado, civilizado. Tudo isso tá acontecendo em parceria. A gente cá, se ajudando, vocês, aí, lendo a gente, visitando a gente, dando esporro e abraços em todos nós.

Estamos em reformas. Desculpe o transtorno. Obrigado pelas ajudas.

De coração. Obrigado. 11 vezes, obrigado.”

“Que ano.” — Luciano Ribeiro, músico e editor-caseiro no PdH

“2017 não foi tranquilo. Mas, porquê mar despreocupado não faz bom navegante, sinto que deu pra vigiar uma centena de novas experiências.

Foi um ano no qual eu senti o peso de trespassar da inércia. Lancei meu primeiro EP (que você pode ouvir cá), reuni uma margem, fiz um show de lançamento, alimentei minha pilastra Eu Ouvi Pra Você, criei a Pesadelos Criativos. Lapidei uma série de ideias que de outra forma não conseguiriam romper a barreira para a verdade. 

Agora, chego ao final de 2017 com uma sensação de força. Tenho um sentimento de que as sementes plantadas nos últimos anos estão amadurecendo. Depois de algumas turbulências e do temor de que tudo o que eu investi meu tempo tenha sido em vão, pelo menos, a sensação é outra. 

Seja porquê editor e responsável do PdH ou músico, sinto uma brisa mais positiva virando a esquina.

Nessa reta final trago esperança no bolso. 

Vejo vocês em 2018!”

“Vocês não imaginam o quão vasqueiro é um projeto completar 11 anos” — Breno França, jornalista formado com honras e promovido a editor-caseiro do PdH

“Antes de principiar a ortografar esse que não deixa de ser um congratulação por mais um ano de existência do PdH, fui revisitar o que tinha escrito em 2015 e 2016 e, uau!, que diferença.

Particularmente, 2017 serviu para duas coisas principais:

(1) minha efetivação no PapodeHomem e

(2) tirar aquele quase formado da minha descrição de responsável para efetivamente me formar na faculdade.

Ambas as coisas impactaram diretamente na minha experiência em relação ao trabalho: 2017 foi um ano duro, difícil e por isso mesmo engrandecedor.

Nos vimos obrigados a trocar a roda enquanto o carruagem andava e foi procedente que todos os passageiros (nós e vocês) sentíssemos as trepidações ao longo do caminho. Reinventamos o nosso padrão de negócio, nos despedimos de pessoas queridas, fizemos eventos, cursos, vendemos livros, fomos pai, mãe e irmão desse projeto que tanto amamos (e que nos sustenta!).

Ao final, tudo isso só aumenta o orgulho por ver esse site completar 11 anos de existência (vocês não imaginam o quanto isso é vasqueiro e difícil; ou talvez imaginem). Fica a minha assombro pelas pessoas que comandam esse veículo e traçam as rotas que vamos seguir e o meu congratulação a todos vocês que, de um jeito ou de outro, não nos abandonaram.

Obrigado.”

“O ano em que mais tive liberdade para fabricar, testar e pensar fora da caixa” — Rodrigo Cambiaghi, gerente de projetos do PdH

“Abri empresa, mudei de cidade, empreendi, gravei com a minha margem, cai de cabeça na paternidade e errei muito.

2017 foi um ano tão intenso para mim que só me dei conta do tanto de coisa que aconteceu agora que parei para ortografar sobre ele.

Vou tentar somar meu ano em tópicos.

– Reduzi meu salário fixo no Papo de Varão e passei a ter uma renda variável atrelada à metas e desempenho.

– Mudei para Santo André, cidade vizinha de São Paulo para reduzir custos.

– Tive meu notebook furtado

– Abri minha própria empresa, uma loja de Suplementos, a Fitness Shop http://www.fitnessshop.com.br/.

– Lançamos o EP da minha margem Boulevard 02.  

– Cai de cabeça na paternidade, contem muito do que aconteceu na minha pilastra: https://papodehomem.com.br/colecoes/vida-de-pai/. Meu texto predilecto do ano foi esse.

– Comprei um Nintendo Switch — ninguém é de ferro, né?

– E apesar de tudo isso, a úlcera que tive no final de 2015 está sob controle e virou uma gastrite moderada. 

Foi de longe o ano que mais trabalhei, mas também o ano que mais tive liberdade para fabricar, testar e pensar fora da caixa. 

Acabei me distanciando de redes sociais e até da minha vida social por conta da quantidade de projetos em que me meti.

Espero conseguir retomar aos poucos isso em 2018.”

“Sou a filha mais novidade do Papo de Varão.” — Bia Aquino, atriz, dançarina e líder financeira da morada

“Mais ou menos nessa quadra no ano pretérito, eu estava indo tomar um moca com o Eduardo Amuri (que eu até logo chamava de Amauri).

Contei um pouco de mim, ele contou um pouco do PdH e no mês seguinte eu estava entrando pro time! Menos de um mês depois já estávamos trabalhando da Morada de Verão, tomando uns bons drinks juntos, levando um caldos nas aulas de SUP e tentando desvendar os mistérios do Black Stories. Foi uma recepção e tanto!

De lá pra cá tivemos algumas partidas de futebol, muitas contas pra remunerar, uns forrós por aí, alguns pães na placa (com requeijão na saída, por obséquio) e muitos, mas muitos aprendizados! 

Eu nunca tinha trabalhado na extensão financeira antes, apesar de ter um paixão louco por planilhas e números. Logo, porquê podem imaginar, 2017 foi um ano de pensar, estudar, aprender e dar a rosto à tapa. Agradeço demais a crédito e parceria nesse caminho. 

Me lembro que naquele moca com o Amuri, ele me perguntou o por quê do meu interesse na vaga, já que eu nunca havia trabalhado na extensão financeira antes. E eu respondi que me identificava com o PdH, que procurava um lugar que eu sentisse orgulho de fazer segmento, independente da função que eu fosse desempenhar. E isso é o que eu acho mais foda daqui: as pessoas.

Tudo faz sentido quando a gente sonha junto e une forças pra fazer ocorrer. Minha assombro e carinho por todo mundo que viveu esse 2017 com a gente. 

Vem que vem, 2018!”

“É bom estar de volta” — Ismael dos Anjos, fotógrafo e editor-chefe do PdH Insights

“Entrei no PapodeHomem em 2013 e saí oficialmente em 2015, mas, pra mim, essa é uma daquelas relações em que você nunca está com o pé totalmente para fora. Esse foi um ano extremamente difícil para o PdH, e voltei para tocar três projetos especiais.

É bom estar de volta, e é bom poder ver porquê o portal, mesmo em momentos de dificuldade, segue em frente. Se une no que há de mais poderoso, e espalha a sua rede por aí. 

Fiquei mormente feliz de tocar o PdH Insights, um braço de perceptibilidade e pesquisa sobre as masculinidades. É um projeto que não necessariamente refletiu por cá, mas que tem um lugar cada vez mais importante no mundo.

Libido vida longa não ao PdH em si, mas às ideias, propósitos e pessoas que o fazem subsistir, todos os dias.

Feliz natalício.”

* * *

Obrigado. 

Felipe, Jader, Luciano, Breno, Bia, Cambi, Ismael, Gabrielle, Higa, Bruno, Carol, Mário, Araújo, Franco, Eduardo Amuri, Fred Mattos, Bruno Passos, Brandão, Baldi, Débora Navarro, Alex Castro, Fred Fagundes, Clint, Gus Fune, Oshiro, todos os que trabalham em marcas e decidiram investir no PdH e manter a morada de pé, toda a rede que nos apóia, toda a rede que nos critica e ajuda a crescer, todos que esqueci agora e fizeram segmento disso tudo.

Essas letrinhas cá nunca vão fazer jus, você estão no coração.

Palmas!, fecho bonito no encontro de celebração de nossos 11 anos

O que acharam do PdH esse ano e o que esperam de nós em 2018?

Porquê de praxe, sejam sinceros. E a morada agradece.

Ano que vem nosso foco passa pelos encontros, eventos e pelo PdH Insights. Nos coloque na sua agenda, queremos te saber.

Um abração.


bônus: cá a retrospectiva dos nossos 10 anos, pra verem o que mudou de lá pra cá.


publicado em 24 de Dezembro de 2017, 00:05





Fonte: papodehomem.com.br

Repensando a agressividade masculina

O Kama Sutra porquê um manual ilustrado de posições sexuais