[+18] Bom dia, Ana Ramos

Tempo de leitura: 4 minutos

[+18] Bom dia, Ana Ramos

Nota editorial: acreditamos que nudez, sensualidade, libido e variação são discussões essenciais de nosso tempo. E que há espaço para tratar disso sem objetificar e ofender, mas sim valorizando toda a riqueza do masculino e do feminino. Para entender porque publicamos ensaios de homens e mulheres e saber mais sobre o que aspiramos para a série “Bom dia”, leia o que escrevemos cá. E se tem um tentativa que deseja publicar, fale conosco pelo contato@prazeresocultos.com.br .

* * *

Sempre tive muita vergonha de permanecer na frente de uma câmera mas quando recebi meu primeiro invitação pra um tentativa topei de primeira porque não se nega novas experiências, né? 

Logo o primeiro tentativa que fiz foi sensual e haveria nudez, não tive receio nenhum por isso. Fiquei nervosa por não saber posar e fazer absolutamente zero na frente de uma câmera.

Tive repudiação por uma segmento da minha família, zero muito importante porque nunca foram próximos (são sempre esses que acham que podem palpitar na sua vida) mas de quem é próximo hoje em dia recebo o escora necessário. 

Apesar disso, eu tento ver que pra gerações passadas talvez seja mais difícil entender, pois a geração e costumes sempre foram mais conservadores (evidente não tá, mas vamos trabalhar com a de agora e as próximas porque quem faz o porvir são eles). 

Minha relação com o nu sempre foi alguma coisa tranquilo e totalmente procedente. Nunca consegui entender o por quê da sexualização  exacerbada do corpo. Pra mim, sempre foi unicamente pele. Cada uma com suas particularidades mas ainda assim só corpos. Uns maiores, outros menores.

Sempre gostei do nu artístico porque acho que zero expressa tão muito a vulnerabilidade de uma pessoa quanto ele na retrato, acho a coisa mais linda ver uma luz contornando o corpo, os músculos, tudo.

Não acho que seja capaz de empoderar nenhuma mulher, não faço esse oração, pois os problemas vão muito mais a fundo do que isso. Acredito que pra enaltecer autoestima, qualquer tipo de tentativa é válido e não somente o sensual e o nu (fujam de quem só prega isso e vem com papo de “origem feminina”, é serio). 

O tentativa com Lara foi a invitação meu porque fiquei apaixonada pelo trabalho dela quando vi. Senhor a forma uma vez que ela retrata a nudez de forma tão procedente, com zero sensualidade forçada, uma vez que consegue passar tanta coisa com seus clicks e do estilo muito analógico, que dá um toque só dela pros clicks.

Um trabalho muito único, que você sabe que pertence a ela, mesmo sem saber o responsável da foto.

Além dela ser uma mulher incrível, com as ideias maravilhosas e fazer você se sentir confortável uma vez que se já conhecesse a tempos durante o tentativa.

Foi uma experiência incrível e recomendo que quem tiver a oportunidade, aproveite!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado em 03 de Dezembro de 2018, 13:06





Fonte: papodehomem.com.br

Será que ele se casou só para ter filhos sendo homossexual?

A trilha sonora da onanismo feminina