de uma narrativa masculina para uma narrativa feminina

Tempo de leitura: 4 minutos

de uma narrativa masculina para uma narrativa feminina

A Jornada do Herói, esquematizada pelo professor Joseph Campbell, é o esqueleto de uma narrativa universal que serve de estrutura para o roteiro dos filmes da franquia Star Wars (e para a maior secção das narrativas humanas). O personagem que vive em um mundo restringido, descobre que existem realidades muito além da sua e, guiado por um rabino, secção relutante em procura de uma façanha, faz amigos, encontra seu nêmesis, vive um processo interno de auto-descoberta, enfrenta seus medos e retorna transformado.

As três trilogias da franquia Star Wars mostram a jornada de três personagens: Luke Skywaker (nos episódios IV, V e VI que foram produzidos entre o final dos anos 1970 e o início dos 1980), Anakin Skywalker, pai de Luke, também espargido uma vez que Darth Vader (nos episódios I, II e III produzidos entre o final dos anos 1990 e o início dos 2000), e Rey (nos episódios VII, VIII e IX, que vão fechar o ciclo em 2019). Enquanto as duas primeiras trilogias tem protagonistas masculinos e debatem questões uma vez que a relação pai e rebento (rabino e discípulo), legado, legado, guerra, claro e falso, a novidade trilogia é liderada por uma mulher sem laços com os outros personagens da saga (pelo menos até onde sabemos…).

E isso muda tudo.

O empreendedor social Colin Strokes, em uma fala em 2013, comparou Star Wars (incidente IV de 1977) e o Mágico de Oz (de 1939). As duas narrativas seguem o protótipo universal da Saga do Herói para seus protagonistas, mas com diferenças profundas. No Mágico de Oz, além de Dorothy, sua mentora (a Feitiçeira Boa do Setentrião) e a vilã (a Feitiçeira Má do Leste) são todas mulheres. Em Star Wars, tirando a princesa Lea, todos os personagens são homens. Enquanto Luke deve trilhar seu caminho solitário do guerreiro Jedi, Dorothy faz amigos (inclusive entre seus antagonistas) e ajuda a transformar a vida de todos para melhor.

Link Youtube

Ainda que o conflito seja a mola propulsora para qualquer narrativa, a conferência entre os filmes nos mostra a diferença entre um mundo que privilegia o combate e a violência e outro que privilegia o diálogo e a dor. E são essas narrativas que vão naturalizando e legitimando nossas escolhas (essa é a função da mitologia). Para Strokes, precisamos de mais narrativas uma vez que a do Mágico de Oz, que apresentam modelos de liderança construtiva e compassiva, diante de um mundo global marcado pela variação. E aí voltamos para a novidade trilogia de Star Wars.

Tanto Anakin quanto Luke, e agora Rey, são considerados “escolhidos”, especiais de alguma maneira. O “poder” dos três personagens é uma habilidade inerente, uma conexão intensa com a Força. Já o tal estabilidade que eles prometem depende do contexto. Enquanto Anakin se transforma em Darth Vader e aumenta a influência do lado sombrio da Força, Luke reforça o lado luminoso, mas ambas as posições são opostas. O estabilidade em uma balança pode ser tanto a distribuição igual de peso nas pontas ou a concentração do peso no núcleo. E tudo indica que Rey é esse núcleo.

Em 1990 Maureen Murdoch escreveu a Jornada da Heroína. No livro ela repensa o monomito de Joseph Campbell e o adapta a partir dos dilemas e conflitos específicos das mulheres diante de um mundo que é moldado pela experiência masculina. Nesta saga feminina a primeira tempo é adotar o protótipo masculino, se inebriar na ilusão de sucesso e fracassar. Em seguida a heroína se encontra com a “diva”, se reconecta e se reconcilia com sua núcleo feminina, e logo reincorpora o masculino e une as duas pontas.

Essa união é a diferença entre o caminho dos Skywalker e o caminho de Rey. Luke que agora é o mentor dela, já entendeu que a tensão entre lado sombrio e lado luminoso não tem horizonte. A Força conecta tudo e por isso ela é um elemento de paridade e não de diferença. Quando Rey compreender a extensão de sua conexão com a Força, a história pode mudar de jornada do herói para jornada da heroína. Se a Força é a “diva” compassiva que pode reconectar Rey com a sua núcleo feminina, os próximos passos da saga serão logo a reconciliação com o masculino e a união entre essas duas essências, o que pode descortinar um horizonte não mais utópico, mas sim provável. Pelo menos essa é a minha aposta para o desfecho dessa magistral ópera espacial!

Que a Força esteja com todos vocês!

PS: Depois que assistirem o incidente VII – Os últimos Jedis, comentem cá!

***

Esse texto faz secção da parceria editorial entre o PapodeHomem e os Quadrinheiros. Estamos publicando dois artigos originais por mês, pra você, sempre às sextas-feiras, mas quem quiser mais é só conferir o site e o ducto no Youtube deles. Vale.


publicado em 24 de Novembro de 2017, 00:05





Fonte: papodehomem.com.br

Porquê ficam as masculinidades em um espaço feminino? Um recorte do programa Bolsa Família

Biografia bota em xeque a hipermasculinidade de Hemingway