Heterogeneidade: O impacto da variação e da inclusão no envolvente corporativo

Diversidade: O impacto da diversidade e da inclusão no ambiente corporativo
Tempo de leitura: 3 minutos

Heterogeneidade: O impacto da variação e da inclusão no envolvente corporativo

A vida inteira vi pessoas que senhoril passar por situações de preconceito e não sabia uma vez que mourejar com isso. Eu não tinha teoria de uma vez que poderia incluí-las no meu mundo, onde eu me sentia confortável e parecia que todos eram felizes do seu jeito – evidente, desde que estivessem dentro das expectativas da sociedade.

Só descobri quando adoeci e fui parar na mesa de cirurgia, com um diagnóstico grave e sabendo que acordaria em seguida a remoção de partes do meu corpo. A minha vida mudou e eu me transformei. Identifiquei algumas lacunas que possuía, talvez até mais profundas e menos expostas do que as da enfermidade.

Comecei a ver o próximo de outra maneira, entendi que o meu papel também poderia ser dissemelhante e, assim, me aproximei daqueles que foram distantes por boa segmento da vida. A minha história pessoal se entrelaça com as revoluções na forma de fazer negócios.

A variação está no DNA da MCM Brand Group, empresa que abri especializada em eventos corporativos e marketing de marcas. Ao nos contratar, nossos clientes aderem ao nosso propósito, gerando uma rede de organizações buscando o muito geral, perseguindo esse ideal de um mundo mais igual. Percebe uma vez que é poderoso?

Conviver com grandes negócios engajados no tema nos moveu mais rápido na direção da realização dos nossos objetivos. Nunca se tratou de “surfar no pink money” (neologismo que se refere ao poder econômico de pessoas LGBTQ+) ou “praticar greenwashing” (ato de se apropriar de causas ambientais com o intuito de lucrar sem se preocupar com o objecto). O vestuário é que temos vivido uma jornada que nos modificou muito e nos deu a certeza de que a variação é extremamente transformadora.

VEJA os assuntos que mais estão bombando nas redes sociais

É necessário praticar todos os dias uma mudança de atitude para trespassar do pensamento automático e iniciar a incluir cada vez mais. Nosso duelo quotidiano é educar os pensamentos para inserir acessibilidade, variação e sustentabilidade em todos os projetos. Além de reconhecer e envolver em nossa calabouço de compras pequenos empreendedores. Por fim, há pequenas empresas que só precisam de oportunidades para se desenvolver.

Essas atitudes geram grandes resultados. Posso dar um exemplo simples e, ao mesmo tempo, impactante. Que tal contratar um segurança do sexo feminino em determinado evento? Poucos imaginam, mas ter uma mulher nessa posição pode deixar as outras ali presentes mais confortáveis com o menor risco de assédio.

Heterogeneidade é um caminho sem volta, e é muito bom saber que a minha empresa lucra, cresce e continua leal aos valores que um dia mudaram a minha vida, com representatividade de corpos, gêneros e origens.

Hoje me envolvo em todos os projetos de variação disponíveis e, ainda assim, crio iniciativas por conta própria, uma vez que o selo Lado B, certificação que atesta as melhores práticas relacionadas a variação, inclusão e sustentabilidade. Também considero de extrema valimento marchar de mãos dadas com quem sabe mais do que eu e me juntar a projetos que possuem expertise em ações em que libido me envolver.

Destaco o trabalho da ONG Integrare, que ajuda a transfixar espaço no mercado para micro e pequenas empresas criadas e geridas por empresários afrodescendentes, pessoas com deficiência ou descendentes de indígenas. E também a WEConnect, associação que incentiva o empreendedorismo feminino. Sabor de estar por perto de iniciativas que gritam e reafirmam: “Somos diferentes, e isso é incrível!”.

É fundamental e gratificante manifestar que começamos nosso processo dentro de morada. Atualmente, 65% do nosso quadro de funcionários é formado de mulheres; 32%, de LGBTI+; 20%, de afrodescendentes autodeclarados; e 16%, de pessoas com mais de 40 anos.

Estamos passando tudo o que aprendemos até agora aos nossos clientes. Até os gestos menores, uma vez que mudar o nosso vocabulário, contam. Vale repensar o jeito de ser, empreender e comprar, dando oportunidade e vez a companhias e pessoas diversas. Só assim vamos invadir o país que almejamos ter.

* Mônica Schimenes é fundadora e CEO da MCM Brand Group

Leia também: Porquê a maternidade revoluciona a vida

Relacionamento censurável: saiba se você está em um no podcast Senta Lá, CLAUDIA

Manadeira: claudia.abril.com.br

Dicas para o make durar a noite toda

5 dicas para o make porfiar a noite inteira

3 dicas para uma vida sexual mais feliz em 2020