É tempo de agir

É tempo de agir – PapodeHomem
Tempo de leitura: 3 minutos

É tempo de agir

Essa página é um repositório de materiais e referências para ajudar e inspirar todos e todas que desejem atuar no território das masculinidades.

Seja com uma iniciativa lugar, tão pequena quanto cinco amigos reunidos na sala de moradia (acreditamos muito na força de pequenos grupos), seja uma iniciativa de maior graduação, envolvendo escolas, universidades, empresas e órgãos públicos.

Link Youtube | Assista e compartilhe nosso documentário na íntegra

Desde o dia 29/08, quando o nosso documentário “O silêncio dos homens” estreou, seguimos atualizando esta página com materiais exclusivos.

Conheça cá os bastidores, a diversa rede de profissionais envolvida e a metodologia do projeto. Contamos com a viabilização de Natureza Varão e Suplente, além do pedestal institucional da ONU Mulheres.

Baixe cá o report da nossa pesquisa, Volume 1

Cá estão os achados de nosso estudo com mais de 40.000 pessoas. Mas em breve também teremos um mapeamento vernáculo de projetos e um guia de porquê fabricar um grupo de homens — atualizando as versões que temos publicadas hoje no PdH.

Optamos por fazer um lançamento seriado. Oriente é o primeiro volume, em versão desktop e para Whatsapp, para você poder compartilhar com a família, amigos e quem mais quiser.

Quero receber os próximos volumes do estudo “O silêncio dos homens”, assim porquê materiais de pesquisa futuros do Instituto PdH

Se cadastre cá. 

Conheça nosso mapeamento vernáculo de iniciativas ligadas à transformação dos homens

Aprenda porquê fabricar um grupo de homens 

Bastidores da produção do doc, com cenas da roda gravada posteriormente a terceira edição de nosso evento anual “Homens Possíveis” (curioso? conheça mais cá)

Que mais e mais grupos possam surgir em todo o país! Será que conseguimos ter ao menos um desses grupos em cada um dos 5570 municípios do país? 

Chorinho: aprenda a derrubar muros e edificar pontes

Um pedido: publiquem reviews e análises críticas do nosso documentário e nos marquem nelas?

Usem #osilênciodoshomens e  marquem o @papodehomem em suas divulgações, pra encontrarmos as impressões, críticas e elogios de vocês.

Se puderem postar suas avaliações sinceras do filme usando a hashtag, vamos amar. 

Prometemos ler todas. Elas vão nos ajudar a melhorar e nos inspirar em próximos projetos.

Sugestões de perguntas para debate posteriormente sessões de “O silêncio dos homens”

Fizemos “O silêncio dos homens” pensando justamente na verdade em que os homens tem dificuldades de se transfixar e dialogar sobre sentimentos e aflições. Por isso seria lindo se cada exibição do filme pudesse ter uma roda de conversa para que as pessoas pudessem trocar reflexões sobre o filme, sobre a vida e as masculinidades. 

  • Para facilitar a meio dessa roda, vale deixar evidente para todo os convidados quais são os objetivos da roda de conversa: ser um espaço de reflexão, troca, florescimento humano, protecção e parceria.

Queremos incentivar espaços de escuta, oferecimento e estágio, que o desloque para fora de sua zona de conforto, que seja sustentável e ajude os participantes a florescer e nutrir melhores relações em todos os sentidos. 

  • Também é importante combinar: quais serão os valores adotados pelo grupo? Protecção, empatia, dor, início, não-violência, flexibilidade, altruísmo, saudação…?
  • É sempre bom estabelecer um concordância de convívio, ou seja, antes de iniciar a conversa, definir algumas estratégias que vão facilitar o diálogo e fabricar um envolvente menos hostil: 
  • Qual vai ser a dinâmica de fala? Basta interromper alguém para pedir a fala? Levantar o dedo? Quando um fala, todos escutam? 
  • Direcionem sempre para fala em primeira pessoa; zero de teorias genéricas e palestrinhas, é sobre o que sentimos, o que vivemos, na prática 

Pode parecer truão, mas são questões importantes. Temas sensíveis ou polêmicos podem se transformar em brigas se isso não for desempenado. Participantes mais tímidos podem ser engolidos pelos mais dominantes.

Que o espaço de conversa posteriormente o filme possa ser porquê um círculo de crédito: seguro, hospitaleiro, construtivo, reflexivo.

Sem mais delongas, seguem algumas perguntas que podem ser interessantes transfixar na roda — à vontade pra usarem as suas próprias porquê acharem melhor, evidente:

– O que foi apresentado no documentário de novidade pra vocês? O que chamou atenção porquê novo e/ou mais interessante? Por qual motivo?…

– De que maneira o teor apresentado te toca? Qual a relevância da conversa sobre masculinidades pra vocês, pessoalmente?

– Quais pontos o documentário poderia ter tratado melhor ou com mais profundidade? Quais foram pontos cegos? 

– Quais perguntas ficam em descerrado para vocês? Uma vez que podemos seguir investigando essas perguntas?

– Quais são caminhos para fazer com que a conversa sobre masculinidades alcance mais pessoas? Uma vez que fazer com que o diálogo sobre o tema avance de mãos dadas com tudo que o movimento das mulheres já conquistou, escutando atentos ao que elas têm a proferir?

– O que podemos fazer para promover mudanças em nós mesmos, pensando no que foi visto no filme? Uma vez que promover mudanças nos ambientes e comunidades e espaços de trabalho onde já estamos?

– Quais seriam próximos passos e ações concretas que podem ser feitas para o futuro? Será que conseguimos estruturar um grupo pra promover encontros regulares sobre masculinidades? Quem cá teria interesse e porquê ele poderia funcionar? A mudança demanda ação sustentada e de longo prazo.

Ótimos diálogos.

Um grande amplexo, em nome de todos e todas da equipe PdH.


publicado em 23 de Agosto de 2019, 14:30





Fonte: papodehomem.com.br

"Será que estou inventando desculpas pra não ser pai?"

“Será que estou inventando desculpas pra não ser pai?”

linha do tempo das leis de igualdade de gênero

Feminismo é PapodeHomem? [Encontro]