Estudo identifica sete formas de se relacionar com um sugar daddy

sugar-daddy-dona-do-pedaco
Tempo de leitura: 3 minutos

Estudo identifica sete formas de se relacionar com um sugar daddy

Sugar daddy e sugar baby não são uma invenção tão moderna assim. Segundo historiadores, existem há muito tempo relacionamentos entre uma pessoa mais velha e/ou com boas condições financeiras e outra mais jovem que procura benefícios (quantia, conforto, presentes, luxo, viagens, status social etc.).

Das gueixas japonesas do século 18, cuja função era fazer companhia e entreter homens ricos (geralmente sem relações sexuais), às mulheres que se tornavam companheiras de soldados estrangeiros na Segunda Guerra, os exemplos são vários.

Nas últimas décadas, porém, foram cunhados, nos Estados Unidos, os termos sugar daddy e sugar baby. Os termos se popularizaram ainda mais nos últimos 10 anos, quando começaram a surgir sites de relacionamento especializados em unir sugar daddies e sugar babies. Isso fez com que o fenômeno se ampliasse e se popularizasse em outros países, inclusive no Brasil, dando origem até a personagens de romance.

Agora, um estudo da Universidade do Colorado em Denver (EUA), publicado na revista Sociological Perspectives, procura desvendar que tipo de relacionamento é esse. A socióloga Maren Scull entrevistou 48 sugar babies americanas e descobriu que há muitos tipos de “relacionamentos sugar”. Segundo ela, há pelos menos sete tipos (corre lá pro final do post se quer ver logo quais são).

O que é um sugar daddy (e uma sugar baby e uma sugar mommy)

Uma verosímil tradução para os termos sugar daddy e sugar baby seria “papai de açúcar” e “bebê de açúcar”. No Brasil, porém, os termos usados são os termos em inglês mesmo. As expressões já trazem dicas importantes sobre os aspectos gerais dessas relações.

O uso das palavras papai e bebê mostra que há, geralmente, uma considerável diferença de idade entre as duas partes. Já a vocábulo açúcar sinaliza que o objetivo é um relacionamento prazeroso e sem muito estresse. Há um conciliação do par e, aliás, um não serpente muito do outro nem costuma fomentar maiores expectativas.

Com o tempo, percebeu-se que as combinações varão rico/mulher jovem ou varão rico/varão jovem não eram as únicas. Muitas vezes, o lado mais velho e endinheirado da relação é uma mulher. E logo surgiu o termo “sugar mommy”, ou mamãe de açúcar.

Para a socióloga Maren Scull, porém, essa descrição é exclusivamente a ponta do iceberg. “Porquê uma pesquisadora que estuda comportamentos fora dos padrões, eu sabia que esses relacionamentos deviam ter muitas nuances”, explica a autora, em um enviado emitido pela Universidade do Colorado.

Nem sempre há sexo

Ao entrevistar as 48 sugar babies que colaboraram com a pesquisa (todas elas moradoras dos Estados Unidos e que se relacionavam com homens), ela confirmou sua hipótese, vendo que há diferentes formas de dois sugars se relacionarem.

Ela descobriu, por exemplo, que 40% das entrevistadas nunca tinham feito sexo com seus sugar daddies e que muitas sentiam uma real conexão afetiva com seus benfeitores. Por isso, a socióloga não concorda com a teoria de que os relacionamentos sugar são exclusivamente um sinônimo de prostituição.

“Quando colocamos os relacionamentos sugar no mesmo grupo da prostituição, ignoramos que são frequentemente orgânicas e envolvem conexões emocionais verdadeiras. E muitas das mulheres não buscavam um benfeitor. Elas só acabaram conhecendo alguém que queria cuidar delas. Esses relacionamentos podem porfiar décadas”, afirma.

A variedade de experiências foi tanta que ela sentiu a urgência de organizar as histórias.”Eu não tinha a intenção de produzir uma tipologia. Mas vi tanta variedade que precisei sobresair as nuances e formas que as relações sugar podem ter”, diz.

Vejamos, logo, os sete tipos que ela encontrou.

Os 7 tipos de relacionamento sugar

  1. Prostituição sugar: nesse tipo de relacionamento, há uma escassez de sentimento e a relação é puramente uma troca de presentes (dos mais variados tipos) por sexo, sendo que os dois se encontram com muita frequência. 
  2. Encontro recompensado: envolve um pagamento em quantia ou na forma de qualquer muito material para uma ida a um moca, saída para jantar ou comparência juntos a um evento específico. Normalmente, não envolve relação sexual.
  3. Companhia recompensada: o par realiza junto um conjunto de atividades mais variado e, geralmente, a mulher participa mais da vida do varão (há um entrelaçamento maior, nas palavras de Maren). Nesse caso, também é muito geral que não haja relação sexual.
  4. Namoro sugar: é a forma mais geral e combina o entrelaçamento de vida com sexo. Nesse caso, a maioria das mulheres recebe uma mesada fixa ou valores variados de conciliação com suas necessidades. A pesquisadora ouviu mulheres que ganhavam de US$ 200 a vários milhares de dólares por mês de seus daddies.
  5. Amizade sugar: é o relacionamento com alguém que a mulher considera de trajo um companheiro que vem a ser também um benfeitor, que a ajuda a se manter. Frequentemente, os homens faziam segmento da vida dessas mulheres antes de a relação se estabelecer.
  6. Amizade sugar com benefícios sexuais: costuma ser menos estruturada. Normalmente, o sugar daddy paga algumas despesas da mulher, uma vez que aluguel, conta de telefone, roupas e viagens. E ocorre relação sexual.
  7. Paixão pragmático: a pesquisadora também encontrou histórias de sugar daddies e sugar babies que esperam edificar uma relação duradoura para o resto da vida, mas que, em vez de apostar no paixão romântico, preferem um conciliação muito mais pragmático. 



Fonte: blogs.correiobraziliense.com.br

Bagunçaram o meu sexo

O que é um varão? O que é uma mulher?