“Minha parceira não me estimula intelectualmente. O que faço?”

"Minha parceira não me estimula intelectualmente. O que faço?"
Tempo de leitura: 4 minutos

“Minha parceira não me estimula intelectualmente. O que faço?”

Pergunta da semana:

“Bom dia, boa tarde ou boa noite. 

Sempre fui um rosto fechado, nunca me abri a muitas pessoas e sempre relutei em pedir conselhos. Acontece que nesse exato momento estou em um namoro há 1 ano e 2 meses, sinto que a senhor, mas não sei se devo continuar. Estou completamente desorientado.

“O que eu senhor quando digo eu te senhor?” (zelo ao clicar nesse link, ele pode transformar a maneira porquê vê todas suas relações futuras) | Foto por Priscilla Du Preez

Conheci minha atual namorada na faculdade. Ela é da mesma turma que eu. Entramos no curso no meio de 2017 e entre encontros e desencontros ao final do ano já estávamos namorando. 

No prelúdios do primeiro semestre de 2018 nós dois precisávamos nos mudar e resolvemos morar juntos para conseguirmos um lugar com um custo-benefício melhor. É porquê temos vividos até logo. 

Faz-se míster que somos de um curso de humanas (nos quais as turmas mantêm-se as mesmas do início ao termo do curso, praticamente). Sendo assim, por morarmos junto, convivemos 24×7.

Estranhamente, apesar do que se pode imaginar, isso não costuma nos suscitar grandes problemas. No universal nos damos muito muito, brigamos pouco, lidamos muito com nossos problemas e somos ótimos companheiros.

O problema: 

Eu e minha namorada tivemos vidas muito diferentes. Sempre fui franco a novas experiências, viajei bastante, li muito, conheci muitas culturas e consegui de ferta forma, amontoar muitas “curiosidades” e uma boa “bagagem cultural” (apesar de não gostar dessa frase). 

Ela, apesar de sempre muito questionadora e de querer entender porque as coisas são porquê são e porquê funcionam, não teve as oportunidades de “ser livre” porquê eu e sempre ficou muito atrelada à “normose”.

Desde o início do relacionamento ela fala que eu acrescento muito mais a ela, com coisas novas e diferentes (seja um livro, um filme, uma história, uma curiosidade ou um ponto de vista), do que o inverso e, por isso, acha que nosso relacionamento é desbalanceado.

Paixão, vamos discutir os impactos do pós-modernismo em nossa fixação estética em narrar nossas próprias vidas ao mundo 24/7? | Foto por Ben White

Eu sempre discordei e falava que era besteira, que ela me acrescentava em muitas outras coisas e que me fazia muito muito.

Acontece que de um tempo pra cá isso tem pesado um pouco e eu tô sentindo falta de alguém que me instigue alguma sensação novidade, me conte sobre alguma coisa que eu nunca tenha ouvido falar e que me mostre um ponto de vista dissemelhante do tradicional sobre as coisas.

À secção isso, nosso relacionamento é muito gostoso. Estamos quase sempre de muito e curtindo juntos. Eu senhor a companhia dela, os momentos que passamos juntos e as coisas que fazemos.

Ao mesmo tempo que acho injusto cobrar da minha namorada, ou quem quer que seja, para que ela tenha um modo de pensar disruptivo, sinto que uma pessoa com pensamentos peculiares seria mais interessante de estar junto.

Uma vez que mourejar com essa situação?”

— Alfredo

Complemento próprio sobre relações:

Recomendo dois artigos, Alfredo:

Uma vez que responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu observação desvanecido):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, porquê um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao relatar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de negócio com a perspectiva proposta cá, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Uma vez que enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O tópico do email deve ter o seguinte formato: “PERGUNTA | Mentoria PdH” — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na traço “Uma vez que planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Uma vez que organizar melhor o tempo pra cuidar de meu fruto? Uma vez que mourejar com o diagnóstico de uma doença grave?” ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Portanto, quem tiver questões nessa traço, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais espaçoso de assuntos com a Mentoria.

A Mentoria PdH é demais! Onde encontro mais perguntas e respostas? Quero ler todas.

Só entrar na coleção Mentoria PdH, marujo.

Alfredo, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook “As 25 maiores crises dos homens — e porquê superá-las“, produzido pelo PdH.

Se deseja comprar ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição cá.

Para saber mais sobre o teor do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim porquê aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Uma vez que o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é principal para nossa sustentabilidade.


publicado em 16 de Janeiro de 2019, 12:18





Fonte: papodehomem.com.br

Reflexão: confira 4 passos para o autoconhecimento

Reflexão: confira 4 passos para o autoconhecimento

O que sabemos sobre ser soropositivo? – PapodeHomem

O que sabemos sobre ser soropositivo?