“Não sei o que fazer com minha vida de recém casado.”

Tempo de leitura: 3 minutos

“Não sei o que fazer com minha vida de recém casado.”

Pergunta da semana: 

“Boa tarde, meu nome é Marco, tenho 30 anos.

Casei recentemente com minha namorada, com menos de dois anos de namoro. Ela é 10 anos mais novidade que eu, mas a iniciativa de matrimoniar veio mais dela do que de mim.

Acho que casei para não perdê-la.

Sempre que a gente se via, saia faísca, sexualmente falando.

Casamos em dezembro, e desde portanto, não conseguimos mais ter essa vida sexual ativa. Estou tendo problemas de ejaculação precoce e para manter a ereção, mas não perdi o tesão por ela. Comecei minha vida sexual muito tarde, se confrontar com a maioria dos homens (26 anos).

Pra piorar ela está com hipotireoidismo, com o emocional todo bagunçado e com pavor de entrar em depressão.

Ela está se tratando e também procurando ajuda psicológica.

Eu quero procurar um urologista para ver esse lance da ereção, mas ainda rola aquele pavor, porque nunca fui muito de ir em médico

Talvez eu procure um psicólogo também…

Enfim, estou com pavor de perdê-la para a depressão! Ela fala às vezes que acha que nos precipitamos sobre ter casado tão rápido. Eu faço tudo o que posso, mas parece que não tem sido o suficiente.

Ela já comentou com uma amiga em geral que queria ser mais “controlada”, mas não sei se consigo ser assim, controlador, e também não sei se entendi exatamente o que ela quis expor com isso.

Essa situação está me desestabilizando, porque ver ela chorar todo dia e reclamar da rotina da vida dela acaba comigo… Quero muito ajudar ela e reerguer nosso relacionamento.

Quem já passou por situações parecidas poderia me ajudar?

Obrigado.”

— Marco

Porquê responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu glosa sumido):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, uma vez que um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao narrar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de combinação com a perspectiva proposta cá, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Porquê enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O tema do email deve ter o seguinte formato: “PERGUNTA | Mentoria PdH” — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na risca “Porquê planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Porquê organizar melhor o tempo pra cuidar de meu rebento? Porquê mourejar com o diagnóstico de uma doença grave?” ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Logo, quem tiver questões nessa risca, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais vasto de assuntos com a Mentoria.

Essa série Mentoria é demais. Onde encontro as últimas perguntas?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH, vencedor.

Marco, um presente pra você:

Vamos oferecer o ebook “As 25 maiores crises dos homens — e uma vez que superá-las“, produzido pelo PdH.

Se deseja comprar ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição cá.

Taí um bom presente para o colega, o parceiro, o familiar e até mesmo o estranho em procura de ajuda 😉

Para saber mais sobre o teor do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim uma vez que aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Porquê o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é precípuo para nossa sustentabilidade.


publicado em 10 de Julho de 2018, 01:17





Fonte: papodehomem.com.br

Conteúdo Sensível
Clicar para ver artigo

[+18] Bom dia, Fernanda Fiuza

“Uma vez que ter conversas sérias e necessárias, sem terror?”