Não tenho tempo nem moeda e acho que ninguém vai querer se relacionar comigo

Não tenho tempo nem dinheiro e acho que ninguém vai querer se relacionar comigo
Tempo de leitura: 3 minutos

Não tenho tempo nem moeda e acho que ninguém vai querer se relacionar comigo

“Boa tarde, gostaria que me chamassem de A.

Tenho 24 anos e sou um aluno da graduação. Estou concluindo engenharia social em uma faculdade privada da minha região, setentrião do país. Não tenho um serviço formal (eu estou mais para um estagiário terceirizado de algumas empresas), moro com meu gato e consigo me manter realizando alguns projetos de engenharia. Mesmo sendo um varão aplicado e com vasta experiência na elaboração de projetos desse tipo, dedico várias horas do meu dia a estudos. 

Porquê sou somente um estudante e todo meu moeda vai para meus gastos pessoais  —que são chuva, luz, comida, aluguel, faculdade, internet e passagem de ônibus — não consigo transpor dessa rotina de remunerar contas que, por vezes, é maçante demais e que não me deixa empreender na minha superfície ou me desafogar financeiramente.

Eu trabalho para poder sustentar um dia a mais para poder trabalhar. E quando consigo um moeda, alguém da minha família passa por um problema e me pede emprestado e, uma vez que quero agradas as pessoas para elas não se afastarem de mim… bom, eu dou.

Vejo que não estou tendo o prazer da vida de um jovem, não consigo ter moeda para frequentar boas festas, comprar uma jaqueta moletom ou mesmo remunerar uma viajem para qualquer lugar que me pareça favorável. Não consigo ter um relacionamento porque o meu tempo de dedicação no trabalho é integral. Parece inépcia, eu sei, mas me dedico integralmente ao trabalho. Não tenho tempo pra mais zero.

Meu trabalho e minha faculdade tornaram-se uma forma de fugir da minha veras pois com o trabalho encontro pessoas diferentes e a faculdade é onde estão meus livros. Eu estou solteiro, solitário e tenho pavor de terminar a faculdade e encarar a vida sem meus amigos, que logo vão terminar e voltar para suas cidades.

Com isso, tenho pavor de não encontrar uma mulher que goste de mim e tenha paciência comigo, tenho pavor do meu pai não encontrar que tive sucesso nas minhas escolhas, tenho pavor de que essa situação continue, ou mesmo de encontrar que todos tenham razão sobre mim. Talvez eu seja realmente autista ou esquizofrênico. 

Estou recluso à impossibilidade de estar livre.

Conseguem me ajudar?

—A.”

Porquê responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu observação extinto):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, uma vez que um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao narrar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de conciliação com a perspectiva proposta cá, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Porquê enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O tópico do email deve ter o seguinte formato: “PERGUNTA | Mentoria PdH” — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na risca “Porquê planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Porquê organizar melhor o tempo pra cuidar de meu rebento? Porquê mourejar com o diagnóstico de uma doença grave?” ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Logo, quem tiver questões nessa risca, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais grande de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é incrível. Onde encontro as perguntas anteriores?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH.

A, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook “As 25 maiores crises dos homens — e uma vez que superá-las”, produzido pelo PdH.

Se deseja comprar ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição cá.

Para saber mais sobre o teor do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim uma vez que aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Porquê o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é principal para nossa sustentabilidade.





Fonte: papodehomem.com.br

Desânimo: 5 dicas para se livrar dele

Desânimo: 5 dicas para se livrar dele

Onde estão os homens na educação infantil? – PapodeHomem

Onde estão os homens na instrução infantil?