o pau na mesa

Tempo de leitura: 2 minutos

o pau na mesa

Kevin Bacon quer botar o pau na mesa. Eu também. Nós queremos botar mais paus na mesa de Hollywood toda vez que, no escurinho do cinema e chupando drops de anis, a mocinha tira a roupa toda nas preliminares e não é acompanhada pelo John, que deve transar de cueca.

#FreetheBacon é uma das hashtags da semana. O ator protagoniza um vídeo no qual faz um pedido por mais nudez masculina no cinema, e reclama das inúmeras vezes que, em seu currículo, a disposição de fazer nus frontais foi dispensada ou considerada desnecessária. Ele diz, ainda, que isso é uma questão de paridade de gêneros – ainda que se possam identificar ressalvas.

A indústria do entretenimento parece não ver maiores problemas em relação à nudez feminina. Ela é vastamente abusada e está, em qualquer proporção, em quase todo filme, série e programa. A naturalização do corpo erótico da mulher é tamanha que ele é largamente utilizado para vender os mais diversos produtos – de óculos de proporção a apartamentos.

Quando o tópico é o nu masculino, toda a coisa muda de figura e fica terminantemente proibido olhar para o mictório ao lado. Taças de vinho, cabeças de outros personagens, sombras milimetricamente calculadas e, mais comumente, abajures costumam tapar quaisquer resquícios de pênis.

Opa

O corpo humano admite diversos olhares, mas o sexual parece predominar. A nossa dificuldade em ler o corpo alheio sem associá-lo à libido e libidinosidade é muito localizada no meio de uma cultura machista e religiosa – o que não é nem um pouco contraditório.

Porque é religiosa, a teoria de corpo só poderia ser ligada à perpetuação da espécie, ao sexo, ainda que procriativo – e quando não, é pecante. O precipício, mormente católico, entre o muito e o mal está intrinsecamente ligado à noção tão erótica da tentação. Do proibido. Do não. Parece paradoxal, mas já sabemos em que fetiche isso dá.

Porque é machista, a noção do corpo alheio porquê propriedade é secção de nós e resulta em olhares dominadores, treinados para ver o que lhes pode servir. Uma vez que um pau pode lhe servir?

Talvez não possa. Não fossem os olhares masculinos desse modo treinados, vissem com mais naturalidade o corpo de outro varão, sem a fobia de um latente libido lascivo e o automatizado impulso de associá-lo a sexo. Não precisa possuir tentação. Kevin Bacon não está nu para nosso delícia, mas porque é logo que é e que surgiu no mundo. E por que não haveria o cinema de retratá-lo assim?

Não pretendo que os nus hollywoodianos sejam qualquer tipo de resposta ou solução para que desenvolvamos um olhar mais sensível sobre o corpo. Neste contexto, o nu ainda ainda pode ser mercado – e, enquanto assim for, saberemos que não é naturalmente corriqueiro. Mas ajustar as lentes para uma vista novidade é um processo demorado que precisa ter início.

Para aprofundar a leitura:

1. [18+] Nudez masculina: o mal-estar;

2. A nudez não precisa ser sexual;

3. Nenhuma nudez será castigada;

4. Bom dia Belladona e… bom dia, Alberto.


publicado em 07 de Agosto de 2015, 17:02





Fonte: papodehomem.com.br

O que aprendi facilitando rodas e cursos sobre preparação de homens para a paternidade nos últimos dois anos?

Conteúdo Sensível
Clicar para ver artigo

[18+] Bom Dia, Carol Guimarães