os brasileiros ajudaram o sírio que foi atacado no Rio e o mundo ficou sabendo

os brasileiros ajudaram o sírio que foi atacado no Rio e o mundo ficou sabendo – PapodeHomem
Tempo de leitura: < 1 minuto

os brasileiros ajudaram o sírio que foi atacado no Rio e o mundo ficou sabendo

Nos últimos dias o refugiado egípcio Mohamed Ali, que foi vítima de ações hostis por outros ambulantes na esquina da Rua Santa Clara com a Avenida Nossa Senhora, em Copacabana, foi do inferno ao firmamento.

Primeiro, a dor de ser estigmatizado porquê terrorista e violento, de ser retirado pelas palavras porquê não-brasileiro, de ter sua masculinidade posta à prova em meio à agressões, de receber afrontas e ações agressivas sem poder revidar.

Dias depois, “uma longa fileira se formava” no entorno da sua barraquinha de comidas árabes para um “esfihaço” promovido pelos cariocas, que acolheram-no num ato muito simbólico, finalmente, a moral dessa história foi a de que nós também sabemos ser solidários e não compactuar com ações xenófobas.

Link do vídeo, publicado no Facebook da AJ+

 O Mohamed pôde se deixar sentir recepcionado com carinho, com a proximidade tão generalidade dos brasileiros, que em meio aos difíceis tempos, às vezes fica em segundo projecto.

E que bom ver essa costura do mesmo varão que poderia estar ríspido, dividido entre a vingança, o terror de não poder prover e a urgência de ter que se mostrar duro e resistente se mostrar uma figura gulosice e ligeiro. Se deixando ser asilado, deixando mais uma história ruim para trás e, acessível, recebendo a atenção de quem quer dar atenção em vez de remoer orgulho. Uma atitude que pode muito muito servir de exemplo.

Agora o mundo sabe que podemos ser melhores. A gente também pode saber, viu.

Fizemos bonito com o Mohamed. Que ele tenha toda a sorte do mundo.


publicado em 22 de Agosto de 2017, 11:10





Fonte: papodehomem.com.br

Os modelos de varão provável que os quadrinhos refletiram ao longo da história

o que a vitória de Jon Jones pode nos mostrar sobre rivalidade – PapodeHomem

o que a vitória de Jon Jones pode nos mostrar sobre rivalidade