PAI 2020 | Liberamos todas as transmissões!

Tempo de leitura: 5 minutos

PAI 2020 | Liberamos todas as transmissões!

Cá vão as três transmissões na íntegra pra você testemunhar com toda a família:

Dia 1: O início da vida

Dia 2: Geração na Puerícia

Dia 3: Deixando de ser moçoilo:

Os maiores tesouros e aprendizados do PAI 2020

Trazemos cá um resumão com os melhores momentos e destaques do evento. 

Pudemos pensar os desafios das paternidades atuais com afeto e profundidade: reunimos um time de homens possíveis, dados de pesquisas, trocas de experiências e apresentações artísticas.

Foram três dias revigorantes em que milhares de homens e mulheres estiveram com a gente no evento PAI 2020.

Porquê nascem os pais?

No primeiro dia do evento falamos sobre o início da vida, o promanação e o desenvolvimento do zelo paterno. O promanação de cada pai é único, inclusive reunimos histórias tocantes de vários despertares para a paternidade.

O psicólogo Fred Mattos apontou dimensões do nascer pai. Dentre elas estão as mudanças físicas (mais presente nas mães), a relação familiar e a relação com a moçoilo,da idealização à realização.  

Cuidar é um verbo humano. 

Gary Baker, do Promundo, apresentou dados riquíssimos sobre a relação masculina com a paternidade ao longo das eras. 

“Homens também têm mudanças hormonais e neurológicas ao estar em contato com crianças. Na nossa espécie tanto homens quanto mulheres nascem com habilidade física hormonal e psicológica para cuidar.”

Qual o papel do varão no parto?

Juntamos Bia Herief uma obstetra especializada em parto humanizado, nosso querido Thiago Koch do Varão paterno, e as incríveis experiências de John Bermond e Diego Ponce.

Porquê Bia muito colocou, as possibilidades de participação paterna no parto varia muito dependendo do contexto, mas é importante que os homens busquem se envolver mais: 

“Existem várias realidades e você pode fazer o melhor na sua verdade. O melhor para sua verdade se consegue com muita informação e a procura por informação não é só responsabilidade das mulheres, também é papel do varão buscar, estudar e ser segmento”

Portanto, busquem conhecimento, papais!

Conhecimento é necessário. Arte também. 

Todos os dias fechamos os encontros com uma performance artística sensível e tocante. Dá uma olhada na potência de Grão de Gergelim música de Léo Castro.

“Chega a ser menor que um grão de gergelim, mas já tem a força e tamanho para fazer do mundo um melhor lugar pra mim.”

Tudo pelo meu fruto: Esteja por perto hoje e você será segmento da vida de seu fruto amanhã.

Rodrigo Segantini é pai do Arthur e esteve junto com seu fruto contando a emocionante história de suas vidas.Conversamos com eles sobre uma vez que estar presente uma vez que pai que cuida é precípuo. Quando nos faltam respostas, o paixão pode ser o caminho.

Para cuidar, é preciso estar muito: Porquê anda nosso estabilidade emocional durante a pandemia?

Guilherme Valadares trouxe dados da pesquisa O silêncio dos homens e de outras pra mostrar um quadro das dificuldades emocionais masculinas: da solidão a dificuldade de diálogo.

Trazer o olhar para o mundo das emoções é uma forma de invitar os homens para revoluções internas, dentro das moradia, cuidando e olhando pro mundo emocional. 

Porquê cuidar, educar, recrear, trabalhar sem surtar? 

“Mas quem disse que não estamos surtando?”, disse nosso querido Bruno Vilas Boas do @Paternidade_Divertida.

Reunimos o Humberto Baltar do coletivo Pais Pretos Presentes, o Jones da página Família Quilombo, o Adriano Bisker que é pai de cinco e surdo oralizado e o Bruno Vilas Boas, que vive a verdade da paternidade junto com seu companheiro.

Os quatro mostraram que a vida real passa longe das idealizações e que nem sempre é provável mourejar com os desafios da maneira ideal. Porquê muito disse o Jones: quando não conseguimos mourejar, temos de ter estratégias para seguir em frente. 

Esse time de pais ainda falou sobre uma vez que produzir as crianças em meio a inconstância, não só falando sobre reverência, mas proporcionando convivências diversas que tragam a justiça para o cotidiano da moçoilo.

A moçoilo que você foi se orgulharia do adulto que você se tornou?

Essa foi uma pergunta instigante que o redactor Allan Dias Castro deixou para refletirmos.Ele também contou uma vez que o falecimento do seu pai lhe ensinou que a vida é um privilégio e que tem aprendido ao longo dos anos a trocar uma rosto fechada por um sorriso simples.O riso fácil, portanto, tornou-se símbolo para honrar tanto a memória do pai, quanto suas aspirações de moçoilo.

Porque temos tanto desarrimo paterno no Brasil?

Pedro Hartung, legisperito do Instituto Alana, trouxe pra gente uma fala potente, ensinando as origens do distanciamento paterno da geração.Muito além do “Quem pariu que o embale”, Pedro também nos lembrou de alguma coisa da maior prestígio: A responsabilidade de zelo sobre uma vida é de toda a sociedade.

E quando a moçoilo não pede mais pescoço?

Leonardo Piamonte é psicólogo e membro do Balaio de Pais e fundador da página @Paternidade_sem_frescura. No papo rápido do PAI 2020 ele nos fez pensar sobre as mudanças da paternidade quando os filhos deixam de ser moçoilo.Estamos prontos para trocar o pescoço por conselhos? Para entender que eles podem tomar decisões que não nos agradam? Sabemos ouvir e respeitar?

Estamos prontos para dar liberdade às crias?

A Deh Bastos do Criando Crianças Pretas foi nossa grande mediadora e fez do dia 3 uma reunião enxurro de emoções.O Claúdio Serva do @Prazerele falou sobre uma vez que conversar sobre sexualidade e consentimento desde sempre, permitindo que as crianças possam se proteger e se expressar.

Thiago Queiroz, também publicado uma vez que Paizinho Vírgula, contou sobre as dores de dar a liberdade. “Quando vai parar de doer?”. Talvez nunca, mas a questão é: uma vez que vamos mourejar com essas dores?

Leonardo Medeiros contou sua história de eriçar. Léo é pai de uma moça trans de 17 anos. O pormenor é que Léo também é um homens trans. Ele conta sobre suas dificuldades e sobre uma vez que tem feito as pazes com o pretérito.

“Que não te falte referências, mas que a melhor referência você encontre em moradia”

Dos maiores poetas e slammers do país, Wellington Sabino encheu nossos corações com suas poesias para suas filhas. Enquanto ele declamava a pequena pulava de alegria na sala da moradia. Uma cena linda.

Mais que palavras Wellington deixou uma mensagem: que a verso deve estar no cotidiano e, antes de colocá-la em palavras, podemos praticar verso ao sermos gentis, responsáveis e afetuosos com os outros.  

Mais que uma forma de fechar um e-mail, seguir juntos é uma mensagem que emanou no nosso evento PAI 2020. Toda a riqueza deste evento se construiu a partir da rede de pessoas que trabalhou com afinco para trazermos experiências e vozes diversas. Mais do que isso, para fazer com que estas vozes ressoassem em diferentes cantos do Brasil.Queremos agradecer a todos que participaram desse evento e que fizeram dele levante momento incível.Se você não pode participar, aproveite para submergir nos links desse e-mail e saber mais sobre cada um dos participantes que estiveram conosco.Até o próximo!Abraços


publicado em 02 de Setembro de 2020, 18:29





Fonte: papodehomem.com.br

uma vez que reabilitar homens encarcerados?

o pornô fluorescente de Jean Francois Painchaud