revista masculina só funciona com nudez?

Tempo de leitura: 3 minutos

revista masculina só funciona com nudez?

Com 64 anos de atividade, a revista Playboy escreveu uma história cercada de corpos femininos nus. 

Depois de uma queda nas vendas, aparentemente causadas pelo grande volume de pornografia gratuito circulando na internet, a revista anunciou que iria parar de publicar fotos de mulheres peladas. A última pessoa a brotar sem roupa alguma foi Pamela Anderson, na edição janeiro/fevereiro de 2016.

Essa decisão foi colocada em prática ano pretérito, mas eles já voltaram detrás e anunciaram que vão retornar ao idoso protótipo, com fotos de nus femininos. Cooper Hefner, o CEO da Playboy, admitiu que a forma de se mostrar o nu estava ultrapassada, mas que a nudez não deve ser considerada o problema.

Daí vem o título “Naked is Normal”, gravado na edição de março/abril 2017. 

O nu é normal, mas é normal para quem? 

Quando esse tema entra em discussão, há margem para diversas interpretações. As várias camadas que envolvem o tema podem caminhar para aspectos que envolvam arte,objetificação, exploração, empoderamento ou simples conhecimento do próprio corpo. Essas leituras, obviamente, mudam de combinação com o público intuito e o contexto em que estão. 

O nu foi (e continua sendo) talhado ao público masculino, em sua esmagadora maioria. Os meninos são incentivados desde cedo a “considerar” e “consumir” corpos femininos. Pra além de toda a discussão que nós fazemos em relação aos problemas que uma cultura uma vez que essa gera, fica em evidência o incentivo oferecido aos meninos quando o tema é sexualidade. É simples que há casos e casos, números e números, mas adivinhação quem praticamente não faz segmento dessa conta? As mulheres.

Esse foi um ponto discutido no PdH há qualquer tempo e vale a pena ser relembrado:

“As meninas nunca foram muito estimuladas a considerar a formosura do corpo masculino. Pornografia sempre foi coisa de varão. Para a imaginação feminina, sobraram os romances e filmes água-com-açúcar.”

Para eles o nu (não disse qual. Isso é tema para o próximo tópico) realmente parece ser um pouco normal e familiar. Mas e para elas? O tirocínio de perceber essas nuances é valoroso para ambos os lados. 

Mulheres podem usar o próprio corpo uma vez que uma forma de se expressar, mas elas também podem se excitar vendo nus alheios. Mulheres também gostam de olhar, também se masturbam, também precisam saber o próprio corpo e o de outras pessoas. Mulheres são seres sexuais.

Revista masculina só dá visível se tiver mulher pelada? Quem é essa mulher?

Uma vez posto o vestimenta de que o nu não deve ser um elemento de prazer unicamente dos homens, cabe conversarmos sobre esse tema em ambientes pensados exclusivamente para homens.

Talvez uma revista focada no público masculino (e hétero) funcione muito muito sem nudez, até porque o esteriótipo de caras reduzidos à mulher, cerveja, sege e futebol tem ficado cada vez mais para trás.

Mas um ponto importante é de que forma esse corpo nu é recebido, e quais corpos são esses.

Pode parecer óbvio, mas quando a Playboy nos sugere que estar pelado é normal, precisamos ter consciência da infinidade de corpos que existem, e que todos eles precisam estar dentro desse concepção. O velho papo a reverência dos padrões que nos são colocados aparece novamente para dar uma cutucada: de qual normalidade estamos falando? De quem são esses corpos?

Por cá nós estamos caminhando nessa discussão. O Bom Dia, nossa série semanal com ensaios nus, procura explorar a sexualidade de forma a tornar essa uma questão livre de tabus e travas. Para isso estamos sempre em procura de ensaios com corpos e peles diversas, inclusive de homens. O Guilherme, editor encarregado do PapodeHomem, puxou uma conversa boa sobre nossa visão editorial a reverência do tema, e ela rendeu bons comentários. 

“Não aspiramos impor que “o dissemelhante é que é lítico”. Só quebramos as caixinhas de sempre pra mostrar que é ok ser uma vez que quisermos.”

E para vocês? Uma vez que os corpos nus estão sendo interpretados hoje em dia? Uma revista masculina funcionaria muito sem mulher pelada? Isso tudo é realmente normal?

Fica o invitação para pensar a nudez uma vez que utensílio de exposição da sexualidade e exploração da liberdade. Mas para isso ela precisa ser lida de forma também livre: essa é uma caixa da qual a masculinidade está se libertando aos poucos.

E se libertar dela é ir ao encontro de um genuíno “Naked is Normal”. 


publicado em 14 de Fevereiro de 2017, 19:04





Fonte: papodehomem.com.br

Uma vez que a preocupação pelo corpo (também) afeta a saúde dos homens

“Decidi terminar logo antes dela ser diagnosticada com depressão. E agora?”